terça-feira, 31 de janeiro de 2012

As pessoas felizes

"As pessoas felizes caminham silenciosamente como o rio que pacientemente contorna um monte, uma montanha ou uma cordilheira, e mesmo como uma simples corredeira enchem um abismo para, enfim, seguirem seu inexorável caminho pro mar."


"O texto acima foi extraído da postagem "As pessoas infelizes são perigosas" ou "Só vai ao encontro do outro quem pode reinar sobre si mesmo":

http://poemas-de-sol.blogspot.com/2010/12/as-pessoas-infelizes-sao-perigosas-ou.html

Até os confins do Cosmo

Poema dedicado à minha mulher,
Maria Regina

Sentidos à flor da pele,
coração de quem ama
não precisa de estetoscópio,
dá prá vê-lo sob a camisa,
ouví-lo do alto do campanário,
sentí-lo no altar da amizade,
vivê-lo num só coração
maior que o nosso.

Jairo Ramos Toffanetto

Hay, cai ou não cai



Oh pobres criaturas.
Vagando à luz do dia pela noite morta

JRToffanetto

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Trabalho, Objetivo e Fé


O trabalho para se alcançar um objetivo é o exercício da fé. (JRToffanetto)

sábado, 28 de janeiro de 2012

Mestre Oswaldinho da Cuíca

Osvaldinho da Cuíca (São Paulo, 1940) é um cantor, compositor, sambista, ritmista e passista brasileiro. É um dos maiores nomes da história do samba paulistano, já tendo tocado com Adoniran Barbosa, e sido intérprete de samba-enredo da Gaviões da Fiel, quando esta era ainda um bloco. Em 2007, foi comentarista do desfile as campeãs do Carnaval de São Paulo, na TV Bandeirantes. Em 24 de outubro de 2007 recebeu das mãos do vereador Chico Macena a Medalha de Anchieta e Diploma de Gratidão da Câmara Municipal de São Paulo.

Seu uso é muito difundido na música popular brasileira. Por volta de 1930,
passou a fazer parte das baterias das escolas de samba.

A Presença Infinita

A vida pode ser tomada em dose única se amparada nas mãos e friccionada no coração, mas é preciso ter um.
A presença infinita, mais intensa e irradiante que um milhão de estrêlas, toca nossos lábios com uma pétala de rosa. 


JRToffanetto



sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Toquinho - Berimbau


Toquinho interpretando "Berimbau" de Baden Powell, e
o percussionista Papete no berimbau.


Poema de Sol com Berimbau e Cuíca

Meu instrumento musical sempre foi samba nos pés. Hoje, na info-via, restou-me a corda do berimbau vibrando lá fora, e esta cuíca que não larga de roncar dentro do meu peito.  JRToffanetto

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Baden Powel - Samba Triste


Baden Powell de Aquino (1937 - 2000) - Rio de Janeiro
Baden Powell tinha uma maneira única de tocar violão, incorporando elementos virtuosísticos da técnica clássica e suíngue e harmonia populares. Explorou de maneira radical os limites do instrumento, o que o transformou em uma rara estrela nacional da área com trânsito internacional.

"Samba Triste" interpretado por Eliane Elias Trio:

Formigas que voam não carregam peso


Só carregando  imprescindível para manter sua espécie, se a formiga avaliasse tamanho e peso do bocado a carregar, teria se extinguido da face da terra sem saber de sua força excedente. . Tudo isso está muito certo no mundo das formigas. 

Quanto a nós, ainda que não sejamos formigas, carregamos velhos e pesados programas de captação de lixo mental que não nos servem para viver e neblinam a visão. Só aumentam de peso e volume junto à sobreposição de outros mais recentes e igualmente inúteis e assim mesmo aceitos. A escuridão cobre o planeta.

Formigas que voam não carregam peso. Saem do mesmo buraquinho de terra que as outras, mas com a escolha de voar.

Para voar e também cantar é preciso ser mais que formiga. Como seres em evolução, podemos saltar como o grilo, voar como a libélula, cantar como a cigarra, brilhar como um vagalume... Enfim, pelo livre arbítrio, e o que nos diferencia das demais criaturas, transformarmo-nos em algo bem diferente das primeiras escolhas e, progressivamente, até nos tornarmos fluído sideral. Somos filhos da Luz. Escolhemos o caminho de volta para a casa do Pai.


"A Cigarra e a Formiga" (tinta acrílica sobre algodão crú)
de Yung Gautama Toffanetto, então com nove anos de idade.
Jairo Ramos Toffanetto

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Homenagem ao aniversário da Paula Desvairada


Para homenagear o aniversário da minha cidade de São Paulo (457 anos), ainda romântica em meu sentir, pensei em reeditar a música que é um verdadeiro hino "São Paulo São Paulo" do Premeditando o Breque, todavia, lembrei-me do emblemático compositor paulista Adoniram Barboza. Ao encontrá-lo com a interpretação da inesquecível Elis Regina, ficou irresistível para mim.


Até a década de setenta para oitenta eu tinha orgulho da Paulicéia Desvairada. Ainda a amo com o cheiro do Rio Tietê e tudo, mas hoje a sinto com apreensão, seu lado insólito às vezes é pesado demais. O vídeo abaixo mostra um pouco disto.


Parabéns pelo aniversário da Cidade se São Paulo
uma das capitais do mundo.

O  MASP - Museu de Arte de São Paulo em destaque

"São Paulo" São Paulo do Premeditando o Breque (e de todos nós):

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

CARMEL A CAPELLA - Interpretação vocal de Vivaldi e Piazzolla



A divina música cantada no Jardim do Édem.


Quinteto vocal feminino de Israel, dirigido pela argentina Shula Erez

domingo, 22 de janeiro de 2012

Como matar uma árvore

Causando-me impacto a imagem fantasmagórica da morte da árvore das fotos desta postagem, fiquei a imaginar o homem que diariamente a esteve envenenando, e também naqueles que a mandaram matar: os donos do mundo, e não consegui entendê-los.

(Foto tirada na margem do Rio Jundiaí)
Isto só seria possível se eu fosse tão sinistro quanto eles, ou tão devorador quanto eles, ou tão pobre de espírito quanto eles. Até que ela seja finalmente derrubada, eis aqui o monumento dos desalmados, o monumento daqueles que vivem da morte, o monumento daqueles que nada sabem o que é vida.


Mais tarde, tentando entender a dor que se infligiu àquela forma de vida, digitei no google a seguinte frase: “Como matar uma árvore”, e encontrei nada menos que sete milhões, duzentos e dez mil resultados. Inúmeros sites davam receitas com ou sem produtos químicos. Até aonde pesquisei, não vi ninguém questionando outras soluções, só matar, matar e matar. Não falta apenas sensibilidade e criatividade, falta vergonha. É muita gente sinistra. Os animais são melhores que elas.

(Clique na Imagem para ampliá-la)
Talvez esta gente sinistra precisassem sentir um pouco, só um pouquinho do veneno, o bastante para se ver diante da sua lápide e nela ler o "como" sua história foi escrita: “Aqui jaz alguém que envenenou e matou vida arbórea para não pagar o preço do pecado da moto-serra. Viveu sem entender nada do que é vida. Nada aprendeu porque não tinha sentimentos. Aqui jaz alguém sem vergonha, sem princípios, sem nada. Nesta lápide as baratas chupam o branco dos seus olhos ainda vivos." 

Nota: O título desta postagem são as mesmas palavras utilizadas na pesquisa do Google, e na esperança de que ela possa tornar-se útil no ponto em que o meio venha precisar.

Jairo Ramos Toffanetto

VILLA-LOBOS - FLORESTA AMAZÔNICA

Em Plena Floresta (Deep in the Forest), inicia a obra com uma melodia puramente indígena, ritmo selvagem, cantada por um coral masculino. A onomatopéia das palavras empregadas, são idênticas à indígena.

Pena que ainda não há a obra inteira no YouTube (apenas trechos). É uma das mais belas obras escritas por alguém que não temia mostrar seus sentimentos na música. Disse José Roberto Cordeiro (crítico musical): "Com Villa-Lobos, começou no Brasil a expressão regionalista da arte. Ele não só lançou o estilo, mas foi o responsável por dar-lhe sua completa significação."


sábado, 21 de janeiro de 2012

Provérbios da sabedoria árabe

Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha.

A preguiça casou com a indolência, e desta união nasceu a pobreza.

Os homens são como tapetes, às vezes precisam ser sacudidos.


Não é mérito o fato de não termos caído, mas sim o de nos termos levantado todas as vezes que caímos.

Não comas o pão servido por alguém que depois irá te lembrar da oferta.

Por causa da rosa, a erva daninha acaba sendo regada.

Não gasta duas palavras se uma única basta.

Não digas tudo o que sabe porque quem diz tudo quanto sabe muitas vezes diz o que não convém.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

King Crimson ("Century Schizoid Man" e "Lizard")

Frases de Robert Fripp, líder do lendário King Crimson:
"O silêncio é um elo entre mundos".

Vocal com Greg Lake que, depois, integraria o "ELP"

A música é a taça que segura o vinho do silêncio.
O som é essa taça, porém, vazia.
O ruído é essa taça, porém, quebrada.
A disciplina é o veículo do prazer.

Vocal com Jon Anderson que, depois, formaria o "Yes"

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

VANGELIS - A Conquista do Paraíso (trila sonora do filme "1492")


Evangelos Papathanassiou Odysseas (em grego: Ευάγγελος Οδυσσέας Παπαθανασίου [evaɲɟelos oðiseas papaθanasiu]) (nascido em 29 de março de 1943) é um compositor grego de eletrônicos, progressivo, rock, jazz ambient, pop e música de orquestra, sob o nome do artista Vangelis (pronúncia do Inglês: / væŋɡɛlɨs /) [1] Ele é mais conhecido por sua Academy Award-winning pontuação para o filme Carruagens de Fogo, e contagens para o filme Blade Runner, 1492:. Conquest of Paradise e Alexander.


As três naus de Colombo (imagem extraída da Internet)

Somos irmãozinhos conversando ao pé da cama.

                          A Constelação de Órion está a 500 anos luz de distância



















Contar estrelas do céu... tê-las na ponta do dedo... todas logo acima do telhado... uma a uma... Admirar mirar mirar

Se isto é só uma imagem romântica da nossa infância digo, então, que ainda sou menino, e enquanto menino, nem preciso de licença poética para dizer com a Via Láctea no coração que, já no primeiro fôlego de vida, ao nascermos fomos assistidos por estrelas que compõe a vizinhança celeste. Uma delas temos por madrinha e que nos acompanham no caminho de volta.

Nossa chegada por aqui é o ponto da volta, da partida. Nossos corações são pedacinhos de um só grande coração luminoso. O coração da humanidade, como um lúdico mozaico, é composto por aqueles que não trocaram seu coração de menino pela vestuta pedra. Se alguém fez isto - o que se breganhou não importa -, há uma última chance para se resgatar o eu natural. “Trabalhar dentro, construir o caminho de volta é preciso”. O em redor se beneficiará com tua ação pela Harmonia Cósmica.

Somos irmãozinhos conversando ao pé da cama. O sol já vai nascer para mais um dia aos homens de vontade. Agora é tempo de crescer, e rápido.

Jairo Ramos Toffanetto

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Rachmaninov - Rhapsody on a Theme of Paganini - part 3 - OSRP


Rachmaninov - Rhapsody on a Theme of Paganini

(Rapsódia Sobre um Tema de Paganini, Op 43),
OSRP - Orquestra Sinfonica de Ribeirão Preto - SP,
Reg. Claudio Cruz,
Solista ao Piano: Marcelo Bratke,
Visite: http://www.osrp.org.br/,
Concerto em comemoração aos 150 anos de Ribeirão Preto, gravado no Theatro Pedro II em 2006.
Ouça mais musicas com esta orquestra em: http://www.lastfm.com.br/music/OSRP+-+Orquestra+Sinfonica+de+Ribeir%C3%A3o+Preto


Rachmaninov


domingo, 15 de janeiro de 2012

Samba de Gafieira


Gafieira é o local onde - por volta do fim do século XIX e início do século XX em diante - tradicionalmente as classes mais humildes podiam freqüentar para praticar as danças de casal, ou danças de salão. Não chegava a ser um clube e sim uma alternativa para essas pessoas e, pelo que consta a história, as gafieiras sempre existiram no município do Rio de Janeiro.

 

Muito tradicional no Rio de Janeiro na década de 1930, a gafieira show é uma das misturas que saiu do samba, porém diferentemente dessa manifestação popular, a gafieira tem um código de ética, onde predomina a elegância e o respeito. A coreografia da gafieira show é baseada na dança de salão, porém um pouco menos regrada, já que possui o molejo e a malandragem do samba do início do século passado (samba de gafieira). Hoje, em shows folclóricos brasileiros, este quadro é indispensável pois ele retrata a boemia e magia do Rio de Janeiro antigo.


Sambar é um verbo que se conjuga com os movimentos do corpo.

Tango: música e espetáculo.


Gosto tanto de tango como um uruguaio (terra de origem) ou um argentino, e com o mesmo orgulho. Não me canso de ouvir e sentir sua grande força de expressão musical, sua energia. Como espetáculo, sempre o vejo pelo YouTube.

No tempo do meu pai, todo mundo por aqui (Brasil) ensaiava seus passos.Ele me contou que nas festas do seu tempo, dançar tango no meio do salão era um requinte só e, entre nós, brasileiros, enquanto elegância e criatividade no dançar em par, só é alcançada por um estilo que já nem se ouve falar: samba de gafieira. 


La Cumparsita era o tango mais popular nos meados do séc.XX. Era rodado em discos de 78 rpm para se ensaiar seus passos de dança, afinal, até no macarrão de domingo onde se juntava toda a "italianada", ele seria obrigatoriamente tocado e dançado.

O vídeo abaixo é montado explorando o lado mais sensual do tango.


Apresentação dos professores de Tango Rafael e Roxane, coreografia premiada com o 1° Lugar Dança de Salão Adulto/Duo na 7ª Edição do São Leopoldo-RS em dança:

Bravo!!!

sábado, 14 de janeiro de 2012



Cavalgada das Valquírias (em alemão: Walkürenritt) é o termo popular da Europa para o início do ato III da ópera Die Walküre de Richard Wagner. O tema principal da cavalgada, o leitmotiv Walkürenritt foi escrito originalmente em 23 de julho de 1851. Um esboço preliminar da composição foi composta em 1854 como parte da composição de toda a ópera, que foi completamente orquestrada no início de 1856. Junto com o coro nupcial de Lohengrin, Cavalgada das Valquírias é uma das obras mais conhecidas de Wagner. Enfim, é um mergulho na mitologia nórdica. 

Pixinguinha (1911) e Passos no Chôro (A baratinha - 1915)

A composição abaixo é de Irineu de Almeida.
Solo de Pixinguinha, aqui contando com apenas 14 anos de idade.
Acompanhamento do grupo "Choro Carioca".

                                                   São Pixinguinha

Composição de Mário Rabelo.
Gravação de 1915
Foto do Bairro da Lapa - Rio de Janeiro.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Mário Quintana - Ano Novo e meu poema ao poeta da delicadeza e da doçura

Foram-se as champagnes e demais beberagens de fim de ano.
O ano novo já fez treze anos (dias) de vida a equivaler
uma década de história para contar ou apagar.
Eu continuo bebendo porque eu bebo sim,
bebo o mais caro e delicioso dos vinhos.
Um tinto suave sem envelhecimento porque eterno.
Sem rótulo e não engarrafado.
Um vinho que não não cabe arrolhá-lo.
Nada gruda nele, nem rótulo.
Bebe-se direto do tonel.
Não embriaga, mas de leve levitação.
Não procure saber a safra, a conta dos dias.
Tem gosto de céu azul azulzinho.
´Veio da plagas de Alegrete e é vinho do Porto.
De Porto Alegre porque foi lá que se montou adega.
Meus amigos, convido-os ao "sapore".
Venham comigo para um golinho
daquele que cabe debaixo da lingua
e os lábios sorriem.
Um golinho de mais néctar que vinho,
Um golinho de "Quintanares".
Vamos beber?
  
 O Ano Novo
ainda não tem pecado:
É tão criança...
Vamos embalá-lo...
Vamos todos cantar juntos em seu berço
de mãos dadas,
A canção da eterna esperança."

(Mário Quintana)



Dá até prá advinhar o que Mário Quintana carregava ao lado esquerdo do peito na primeira feira do livro em Porto Alegre (1962).
Só não sei de que adega. Um Drummond, um Bandeira, talvez. Talvez... Ninguém sabe o que o poeta põe no copo. Uma coisa eu sei: tudo o que ele carregava não tinha peso.


Jairo Ramos Toffanetto

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Empresas: Quando o Trabalho se Conecta com a Felicidade

(Comigo, não!)

Porque trabalhamos?
“Trabalhamos porque o mundo não está terminado,
e cabe a nós desenvolvê-lo”
(Joan Chittister)

Quem nunca ouviu isto?
Eis as pérolas mais comumente usadas por pessoas que trabalham desconectadas do que estão fazendo e do ambiente em torno, das metas a serem alcançadas ao modo individual ou em grupo, e das novas e imperiosas solicitações do momento:
- Ah, isto não é comigo.
E procurando iludir o outro, representam-se como por dentro da solução e minando quem os implicam no processo, defendem-se dizendo:
- Isto é da parte do fulano e do sicrano. Porque você não fala com eles?

Ajudar o outro é ajudar a si mesmo
Embora eu me veja bem distante do exemplo acima, pergunto-me pelo tanto de vezes que, a contragosto, saí do que eu estava fazendo para atender solicitações externas ao meu trabalho mas, uma vez me integrado ao fazer, fui tomando gosto em ser útil no ponto em que o meio mais precisa. Quanto aos meus afazeres que ficaram para trás, fui observando que depois, ao retornar para eles, desempenhava-os em menos tempo e melhor, assim como o retomava aclarando-me com novas idéias e soluções mais exequíveis. Quer dizer, fui aprendendo que eu me tornava melhor depois de ter ajudado o outro.

A junção que gera força
Assim posto, digo que as faltas identificadas nos outros são reflexos de nossas próprias faltas. Se não somos diferentes daqueles que recriminamos, devemos, pois, fazer a diferença. Colocar-se como exemplo gera nos demais um sintoma de junção, de força da boa vontade, cheia de entusiasmo e alegria por um trabalho em processo de boa execução. Execução em conexão com o prazer, portanto, sem peso ou dor. Dar o melhor de si a serviço do outro é trabalhar para Um Mundo Bem Melhor.

A matéria prima e o valor
A desconexão citada acima é, pois, com a felicidade (dentro do indivíduo). A matéria prima e o valor para os dias de hoje - e sempre - é a felicidade.

Jairo Ramos Toffanetto

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Rosa Maria - "Summertime" - "California Dreams" - "Summertine II"

Rosa Maria interpreta o clássico de Gershwin.
Vídeo raro de 1978.


Aqui, a nossa Rosa Maria canta com
Tony Ozanah (guitarrista e multinstrumentista argentino)

Algo como Rosa Maria é difícil de se repetir no mundo da música.

Mahatma Gandhi (frases)


 "A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido
e não na vitoria propriamente dita."
  
Os fracos nunca podem perdoar,
perdão e caracterterística dos fortes"

"Estou firmemente convencido que só se perde a liberdade
por culpa da própria fraqueza."

"Olho por olho, e o mundo acabará cego."

"O amor nunca faz reclamações; dá sempre.
O amor tolera; jamais se irrita e nunca exerce vingança."

"É melhor que fale por nós a nossa vida, que as nossas palavras."


Mahatma Gandhi (1869 – 1948).

Luiz Melodia - Suave é a noite (Tender is the night)


Tender is the Night (pt: Terna é a noite / br: Suave é a noite) é um filme estadunidense de 1962, do gênero drama, realizado por Henry King, com roteiro baseado na novela homônima de F. Scott Fitzgerald, e recebeu uma nomeação ao Óscar na categoria de melhor canção original (Tender is the Night)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Federico Garcia Lorca - Tenho Medo de Perder a Maravilha

Tenho medo de perder a maravilha
de teus olhos de estátua e aquele acento
que de noite me imprime em plena face
de teu alento a solitária rosa.

Tenho pena de ser nesta ribeira
tronco sem ramos; e o que mais eu sinto
é não ter a flor, polpa, ou argila
para o gusano do meu sofrimento.

Se és o tesouro meu que oculto tenho
se és minha cruz e minha dor molhada,
se de teu senhorio sou o cão,

não me deixes perder o que ganhei
e as águas decora de teu rio
com as folhas do meu outono esquivo.


Federico García Lorca, in 'Poemas Esparsos'
Tradução de Oscar Mendes


(1898-1936)

Algumas de suas frases:

"Há coisas encerradas dentro dos muros que, se saíssem de repente para a rua e gritassem, encheriam o mundo."


"Olha à direita e à esquerda do tempo, e que o teu coração aprenda a estar tranquilo."


"O mais terrível dos sentimentos é o sentimento de ter a esperança perdida."

 
Lorca foi um dos mais representativos poetas espanhóis das três primeiras décadas do século XX. Amado por toda a Espanha, o poeta foi assassinado (leia-se executado) pelo regime totalitário do seu país.
 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Som Nosso de Cada Dia - "Bicho do Mato"



Formado em 1970 com o nome Cabala, o brasileiro Som Nosso de Cada Dia lança um primeiro mítico álbum quatro anos depois, na mesma época dos inesquecíveis shows de abertura que fez para a turnê brasileira do Alice Cooper (um total de cinco shows, no Rio e em São Paulo, com cerca de 140 mil pessoas).
Rock progressivo nacional dos anos setenta. Na foto, o da esquerda, é "Mnito", ex-integrante de "Os Incríveis"

Morando na pálpebra

Entre a área coberta da lavanderia de casa e o terraço sobre a garagem, há um retângulo de céu. Ponho a água esquentar para o café. Sio pela porta da cozinha para, num instante, reverenciar o céu. Na intervenção da luz sob o escuro da noite havia um apaixonante tom violáceo. Fiquei de olhos postos tentando manter o sentimente ocorrido numa fração de segundo, mas o céu já era outro. Voltei para a claridade bruxoleante da cozinha e feichei os olhos por uns momentos para, novamente, por os olhos no céu. Tom para um indelével lilás estava presente, e outro sentimento passou por mim. Agora, depois de carregá-los até o nascer do sol e mentalmente irradiado estas cores por toda a manhã, ao sol do meio dia compreendi o movimento: tudo está. Escrevo destes fenômenos luminosos que deixaram suas impressões morando em minha pálpebra.


Jairo Ramos Toffanetto

domingo, 8 de janeiro de 2012

Rubem Alves - "A Pedagogia dos Caracóis"

"As lâmpadas valem pelas cenas que iluminam, e não pelo poder de iluminar. Há inteligências de QI 200 que só iluminam esgotos e cemitérios. E há inteligências modestas que iluminam as asas de uma borboleta."


"Gastar tempo com os alunos. Saber sobre sua vida, seus sonhos. A vida é vagarosa. Os processos vitais são vagarosos. Quando a vida se apressa, é porque algo não vai bem. Adrelalina no sangue, o coração disparado em fibrilação, diarréia."


A pedagogia dos caracóis"Acho que 100% dos saberes que as escolas tentaram enfiar dentro de mim, só sobraram uns 10%. Você depositaria suas economias mensalmente num fundo de investimento, por dezessete anos, se soubesse que depois deste tempo receberia só 10% do que depositou?"



O textos acima foram extraídos do livro
"A Pedagogia dos Caracóis" - Rubem Alves - Verus Editora - 2010 - http://www.veruseditora.com.br/

João Bosco - "Corsário"

É o Brasil se mostrando forte, ancorado em suas verdadeiras origens, ostensiva e orgulhosamente assumido. Ao ouvi-lo, dá gosto de ser brasileiro." It’s a strong Brazil emerging, showing its deep-rooted origins, proudly and openly assuming its role. Listening to him make us proud of being Brazilians. (Sérgio Ricardo)





sábado, 7 de janeiro de 2012

Unknown Patagônia - A Patagônia Desconhecida (lado chileno)

Ante a iminente destruição dos melhores lugares naturais da Patagônia Chilena por parte do projeto aprovado pelo governo transnacional Hidroysén , a fotógrafa Linde Waidhofer autoriza a difusão gratuita de seu livro “A Patagonia Desconhecida” como uma forma de manifestar o repúdio e a preocupação pelo que está acontecendo no Chile.
=======================================================
Ante la inminente destrucción de los mejores lugares naturales de la Patagonia Chilena por parte del proyecto aprobado por el gobierno de la transnacional Hidroaysén, la fotógrafa Linde Waidhofer autoriza la difusión gratuita de su libro La Patagonia Desconocida, como una forma de manifestar el rechazo y preocupación por lo que está sucediendo en Chile.

Waidhofen Linde é uma fotógrafa americana que tem ido muitas vezes à Patagônia chilena, tendo-na percorrido por terra, água e ar. Ela fotografou e criou um livro que tem muito a dizer sobre este lugar em Chile, agora ameaçado com o projeto HidroAysén. Linde descreve como a paisagem deve ter sido após o dia da criação. Pois são as mais puras e preciosas imagens, e não só para os chilenos, mas para as pessoas sensíveis que apreciam o valor da beleza do nosso planeta.


Muitos chilenos nem tiveram a oportunidade de conhecer este lugar que a inspirou fotografar e escrever. Para a fotógrafa, conhecer a Patagônia é entender o que é o senso de proteção e cuidado. Seu livro revela  a tragédia que pode acontecer rapidamente com Aysén Baker e Pascua rios, os quais são brilhantemente retratados. Por esta razão é que o livro Unknown Patagônia foi disponibilizado para  ser baixado  gratuiramente no site da fotógrafa -Waidhofen Web Linde.

Link para download grátis aqui:
http://www.westerneye.com/books/index.html

Diz a fotógrafa:
"I'VE JUST PUBLISHED my fifth large-sized book of landscape photographs, Unknown Patagonia, Chile's Secret South. Like my other recent books, it's available both as a printed book and also as an electronic book, or eBOOK. But there is more to this story.

The book is a visual exploration of a precious and so-far unspoiled part of the world that I have fallen in love with. But Central Chilean Patagonia, the Patagonia that no one knows, is a threatened landscape—threatend by destructive mega-dam projects and enormous ugly power transmission lines. Because it is important to tell the story of this special place. I am distributing the eBOOK version of Unknown Patagonia, completely free, in English, Spanish, and German versions."


Junto ao libro,  difunda-se também
o trabalho da Dra Marta Raquel Zabaleta
(D.Phil. Sussex Univeristy I.D.S.)
Honorary Visiting Senior Lecturer
School of Arts and Education
Middlesex University, London, UK

Clementina de Jesus-Incompatibilidade de Genio-Cocorocó


Incompatibilidade de Gênio é uma composição de
João Bosco e Aldir Branc

Clementina causou uma fascinação em boa parte da MPB. Artistas tão diferentes como João Bosco, Milton Nascimento e Alceu Valença fizeram questão de registrar sua voz em seus álbuns. Apesar disso Clementina nunca foi um grande sucesso em vendagem de discos. Talvez por ter gravado quase que somente temas folclóricos, ou por sua voz não obedecer aos padrões estéticos tradicionais. O que realmente impressionava eram suas aparições no palco, onde tinha um contato direto com seu público.


Postagem com João Bosco:

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Paulinho da Viola - "Prisma Luminoso" e "Ainda Mais"

Composição: Paulinho da Viola

Paulinho  é considerado  um artista
que é uma ponte entre a tradição e a modernidade.

Composição: Eduardo Gudin e Paulinho da Viola

SPR - SJ - Fepasa - MRS ou "Aonde este blog torce o parafuso" - 1

                                                                              Foto de J.R.Toffanetto
Cruzando a linha do trem, o Yuri (20) se deparou com o maior parafuso que ele já viu na vida e me trouxe para vê-lo. Dizendo-lhe que blogaria sobre aquele parafuso, de pronto veio-me à mente a imagem do Visconde de Mauá, o primeiro e grande empreendedor brasileiro.

Pela posição dos trilhos aonde meu filho encontrou o parafuso (na sexta linha), imaginava os trens por século e meio passando sobre a sustentação dele. Até ouvia o soar do apito das locomotivas avisando a área de manobras. Agora ele, destacado de sua função útil, tornara-se mais que parafuso. Configura-se, para mim, como símbolo de uma era que atravessou épocas e que, ao compasso dos tempos, continua seguindo adiante.

Hoje esta estrada de ferro vem sendo utilizada para passageiros de Jundiái à São Paulo. E do porto de Santos containers são trazidos e aqui deixados num grande pátio a céu aberto. Outras cargas pesadas seguem pelo interior do estado.

Nota: Esta postagem ficou guardada do modo em que está aí acima. Só agora a coloco em meu blog porque, finalmente, ocorreu um incidente que mudou curso daquele parafuso. Aguardem "SPR - SJ - Fepasa - MRS ou "Aonde este blog torce o parafuso" - 2

Jairo Ramos Toffanetto

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Franz Schubert - Improvisos Opus 90, n.o 3

Krystian Zimerman, nascido em 1956, é um renomado
pianista polonês de música clássica. 

As notas musicais de Franz Schubert 
inundam os ouvidos humanos de música celestial . 

Julius Schimid: "Schubert Toca para a Sociedade Vienense
                                                     (Museu Histórico de Viena) 
Marcel Schneider escreveu sobre Schubert:
"Ele obedecia somente a uma única regra: a submissão ao próprio gênio. Este homem, que a lenda apresenta como tão modesto, tão ingênuo e tão tímido, soube lutar: em sua infância, contra a autoridade paterna; na adolescência, contra as seduções do mundo; na precoce maturidade, contra as tentações peculiarmente poderosas do desespero e da dúvida". Enfim, ele foi um artista que cumpriu sua verdadeira missão.

Em 8 de maio de 1823, Schubert escreve um texto intitulado Minha Prece  "...aspiro a viver em um mundo mais belo e desejo povoar esta sombria terra com um todo poderoso sonho de amor".

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Modulo 1000 - Animalia e Metrô Mental

Hoje o meu gosto musical está mais para Schubert de um lado e Mignone do outro. Como o Yuri (20) sempre está desenterrando meus velhos discos esquecidos numa arca-oratório usada para livros e discos, e por ele estar descobrindo o som progressivo do Módulo 1000, procurei no YouTube por imagens daquela banda. Achei apenas um clipe com algumas fotos, e as demais faixas com foto apenas da Capa. Quando o Yuri viu que todo o disco estava disponível,  insistiu para que eu inserisse todas numa só postagem. Dizia-me ele:


- Esta banda faz parte de uma história que merece ser compartilhada e, especialmente, pela criatividade dela. 
- Mas Yuri, acabei de postar Shubert, como vou soltar um Módulo 1000 atrás disso.
- Jairo, insistiu ele, um som desses não pode ficar desconhecido. É história, e do som mais forte e original que eu já ouvi. Veja a besteira que a moçada de hoje está fazendo com o rockn'roll. 
- Tudo bem, filhão, vou soltar este tsunami sobre a mesmice do rock mundial de hoje, mas nada vai mudar.
- Não importa. A Internet serve para isto, Jairo. Para dizer coisas que ninguém mais diz.

 Bem, vou começar com "Animália, o primeiro vídeo encontrado:


Do Wikipédia http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%B3dulo_1000: O álbum "Não Fale Com Paredes" também é assíduo frequentador das "wanted lists" (os mais procurados) de colecionadores internacionais de discos raros de música psicodélica e progressiva. Sua capa (em detalhe) está no livro "2000 Record Collector Dream", do austríaco Hans Pokora, e uma de suas músicas - "Lem-Ed-Êcalg (Glacê de Mel, ao contrário) - integra a coletânea "Love, Peace & Poetry - Latin American Psychedelic Music", ao lado da também brasileira "Som Imaginário" (já postado aqui http://poemas-de-sol.blogspot.com/2011/09/som-imaginario-brasil1972-matanca-do.html).

Segue-se Metrô Mental, a minha preferida de quarenta anos atrás, seguiam-se Turpe Est Sine Crine Caput e Não Fale com Paredes.

Faço restrição ao texto da Wilkipédia quanto às inomináveis babozeiras do item "ALBUM" aonde colaram o texto de Fernando Rosa, originalmente publicado na revista ShowBizz.

Jairo Ramos Toffanetto