sexta-feira, 31 de julho de 2015

Trixie Smith- Jack I'm Mellow


https://www.youtube.com/watch?v=zu-hwnaud7w
From The Album: Reefer Blues: Vintage Songs About Marijuana Volume 1 (Vocals - Trixie Smith, Trumpet - Charlie Shavers, Clarinet/Soprano Sax - Sidney Bechet, Piano - Sam Price, Guitar - Teddy Bunn, Bass - Richard Fullbright, Drums - O'Neil Spencer.) Recorded New York May 26th 1938.


The Cats & the Fiddle - Killin' Jive


https://www.youtube.com/watch?v=bbqLlY9KqAQ


Jelly Roll Morton - New Orleans Bump


https://www.youtube.com/watch?v=lgaRxl7eKTY


Céu, sempiterno presente

O céu é sempre presente sobre nós,
diante de nós, em nós. Um presente

FotoJRToffanetto às 06:30 h de ontem.

Jack McDuff - Dinky's Blues

A elegância sonora musical em Dink's Blues

https://www.youtube.com/watch?v=v_EOP1JIT14


quinta-feira, 30 de julho de 2015

Jimmy Smith - Midnight Special

Jimmy Smith: Master Of The Hammond B-3

https://www.youtube.com/watch?v=i_m-gyi5Fno


Jimmy's Walk - Barbara Dennerlein on Hammond B3


https://www.youtube.com/watch?v=LYP7Mxss3_U


The Ray Brown Trio - My Romance


https://www.youtube.com/watch?v=_DklviIBB0g
Ray Brown(b) - Jeff Hamilton(ds)-Gene Harris(p)


BARBARA DENNERLEIN at BERN 2002


https://www.youtube.com/watch?v=c9u59lJL7LY


José Bassit Fotografia - Festas Religiosas no Brasil

"Se percorremos o Brasil de ponta à ponta, perceberemos que em meio às diversidades culturais há, entre outros, um ponto em comum: a fé. Em distantes pontos do país, ela é celebrada de muitas maneiras. A linguagem, os símbolos e os santos diferem conforme a cultura e a história do lugar. Mas, em todos os casos, o fervor é intenso e faz parte da vida da população. A celebração da fé do Brasil autêntico, da cultura popular mistura-se com a festa. E a festa tem caracteristícas própias, conforme os costumes e a crença de cada local. Celebrar a romaria ou a procissão é mostrar, através da expressão popular, no que se acredita. O registro das festas religiosas é particularmente importante como fator de preservação da expresão popular. No momento em que o mundo passa pela globalização, a cultura dos povos, especialmente a que tem caracteristícas bastantes regionais e peculiares, pode se extinguir em meio à cultura de massa. Daí, a importâncis de se mostrar para o própio Brasil, o que é a cultura do seu povo e porque ela está tão estritamente ligada à religião e à fé." (José Bassit)











quarta-feira, 29 de julho de 2015

Porque não a beijei nos olhos

FotoJRToffanetto














Com o meu carro na oficina, fui ao trabalho de bicicleta sentindo a aragem gelada da manhãzinha sem exigir mais que uma jaqueta de algodão. Como medida de segurança eu ia pela calçada, afinal a marginal do Rio Jundiaí na cidade é em prolongamento de uma estrada intermunicipal e área de transito congestionado, nervoso. 

Parei à espera da saída de pessoas de um trólebus estacionado à minha frente. As pessoas sentadas do lado das janelas estavam com os olhos atirados pra fora. Mirei-os atentamente. Eles não olhavam para lugar algum, isto é, pra nada em específico, pareciam de vidro, e isto me proporcionou um sentimento algo ficcional: Gente sonambúlica indo ao trabalho em autômato. 

Ao subir a Av. Américo Bruno parei, como de hábito, para ver a panorâmica da cidade - Maysbel - com a Serra do Japi ao fundo. 

O sol puxava a coberta de Mays enquanto o joão-de-barro fazia a vez do galo. Com extrema delicadeza a chamavam do seu sono de pedra:

- Acorda Mays, acorda. É a Poesia.

Maysbela tarde acordou. O café ela não tomou. O dia colorou. Seus olhos de vidro ficou. Perdeu a manhã, o café, as cores. Trabalhou trabalhou trabalhou e nem soube quem a amou.

Porque não a beijei nos olhos? Seus olhos eram de vidro.


JRToffanetto

Barbara Dennerlein Quartett - Jazzwoche Burghausen 1993


https://www.youtube.com/watch?v=tsW3V4rrRsw


terça-feira, 28 de julho de 2015

Tiago Santana Fotografia - A Paisagem Humana do Nordeste Brasileiro

Mas há também dimensões, significações e determinações ocultas na realidade fotografada. O verossímil não é necessariamente o verdadeiro e, certamente, não é o concreto, embora seja o real. Por seu lado, ao fotografar, o fotógrafo imagina. Também o sociólogo e o antropólogo, ao fotografar, imaginam, do mesmo modo que imaginam quando fazem suas outras formas de registro, mesmo que se possa e até se deva pensar numaimaginação fotográfica (ou numa imaginação sociológica, como propõe C. Wright Mills) (2). De Margareth Mead a Oscar Lewis, a história do trabalho antropológico registra e reconhece vários episódios e orientações imaginativas, de natureza valorativa, que afetaram os rumos de observações e descobertas. (José de Souza Martins) Estudos Avançados - A imagem incomu











Pesqusando esta imagem, encontrei como de Pedro Martinelli

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sperandeus (19)


FotoJRT

Se a página estiver em branco - Crônica de um aniversário (JRT)


A página da vida fica em branco a cada nascer do dia. O sol mais uma vez vem colorir o horizonte. O gosto do sonho é sentido, vivido por todo o dia.

Esta página dura por um ano e ao fim dele ela se emenda com as anteriores. Não se escreve uma nova (inteiramente nova) página atando-a antes da emenda.

É uma manhã especial, aquela em que você acorda com esta página em branco, solta sobre o calhamaço de todas as já escritas e encadernadas. No meu caso, esta nova página está sobre sessenta e uma delas.

Nela, amigos e conhecidos te desejam felicidades como uma benção ao porvir no já agora feliz aniversário. São eles que fazem o teu aniversário, ou melhor, que o ajudam criar estado de celebração. Mais tarde, com todos cantando ao compasso das palmas, faz-se silêncio depois de retumbantes vivas. Apagam as luzes

e então você apaga as velinhas, todas elas, assoprando a fumaça das páginas soldadas, mas antes, diante da luz última você divisa a linha do horizonte, faz um pedido mágico diante desta nova página: tornar-se útil ao meio e no ponto da necessidade dele. Compromissa-se com o sonho, materializa-o no sentir

Escreve o cabeçalho, a peça dianteira do veículo às suas mãos. À sua direção o novo horizonte escolhido. O motor é seu nos Auspícios. Existe Algo Maior que a nossa vã sabedoria. O comando do veículo é teu na intenção dEle. Há um Mundo Bem Melhor em construção, e para todo o Universo. (JRToffanetto)

P.S. Chegando em casa com um sentir que me transpassou nalgum átimo de segundo deste dia (27/07/2015), coloquei-me a escrever um texto a ser compartilhando com os amigos deste blogue, mas... eis a Regina, minha linda total, finalizando o enfeite do bolo para comemorarmos, mais o Yuri e o Yung, o meu aniversário. Fotografei-o antes mesmo de terminar o primeiro parágrafo e um novo átimo de segundo no sentir. O bolo... uma destas impagáveis preciosidades que a vida nos reserva pela imensurável medida do coração, a da intensidade tão leve quanto a pluma. Poética caseira a valer uma eternidade, qual beijo, qual abraço, qual encanto, qual a pulsação de mil vivas, qual vibração dos votos de feliz aniversário.














Oh Mestre,
Grato pela minha família linda,
Grato por tantos amigos

conhecidos ou não, e, sobretudo,
por ordenar meu sentir.



Bill Evans Symbiosis (Full)


https://www.youtube.com/watch?v=VlmTTqUGb5Y


domingo, 26 de julho de 2015

Ahmad Jamal - Moods

Não há uma única propaganda comercial neste meu blog, daí o fato de eu, ultimamente, publicar alguns discos completos, mas estes são repletos de irritantes, inoportunas e descabidas  propagandas. Mas como não tenho fins lucrativos próprios, sinto-me à vontade em postar alguns discos completos já que os mesmos estão disponíveis no YouTube.

Conheci o Ahmad no "São Paulo Montreux Jazz Festival" (1979 ou 80). Consegui me desgrudar daquele piano uns instantes antes de terminar o show e numa barraquinha da saída procurar por alguns registro sonoro daquele artista. Quando eu estava pagando o disco(importado), um monte de gente procurando o mesmo que eu se aglomerara no local. Que pena, só havia aquele. Uma destas pessoas quis comprar o disco de mim pelo dobro do preço que eu pagara.

Éh... os discos naquele tempo sem Internet tinham um valor inestimável. O mundo se bossalizou
demais desde aqueles tempos, mas quem gosta de determinados artistas e estilos certamente os terá em CDs. Assim seja.


Encontro um disco de Ahmad que eu não conhecia e que capta a atmosfera daquela memorável apresentação no Palácio das Convenções Anhembi/SP:


https://www.youtube.com/watch?v=O9q4-MLkLcs


Heart - Crazy On You (live 2013)


https://www.youtube.com/watch?v=RBq_THTWNM4


Haicai #14. Da Noite Escura


Haicai #14. 

Da Noite Escura


 Trovões vem contar


o que faíscas mostraram


da noite escura


JRToffanetto



Bernard Herrmann - Psycho (theme)

https://www.youtube.com/watch?v=qMTrVgpDwPk


sábado, 25 de julho de 2015

Quincy Jones and The Jones Boys - Don't Bug Me! Hug Me!


https://www.youtube.com/watch?v=T3RrAKg2pK4 


Sperandeus (18)

FotoJRT

Nuno Mindelis - "In trouble" (Ao Vivo)


Fartos sete minutos de "In trouble" (Ao Vivo) que pedem mais sete e mais sete. Guitarrista e banda impecávis. Blues em levada gostosíssima, dançante, ouvindo-se tudo, curtindo(-se) tudo.  Deixe-s rolar.(JRToffanetto)



Nuno Mindelis _Tenho Medo


O medo não evolui o homem ou a sociedade. Medo de ser. De fato, há um mundo doente lá fora, lá fora. A psicopatia grassa. O MC conclui dizendo: "Ó, pela paz mundial", valeu?!" mas... pergunto eu, que paz a dependência do medo pode construir? De resto, o som é redondo mas... se fosse em inglês eu nem me daria o trabalho de prestar atenção para saber da letra, como no da postagem ao lado (a anterior), um lindo e impecável disco de blues.

https://www.youtube.com/watch?v=xzZemKz6IWg


Nuno Mindelis - Blues On The Outside (Special Guest Double Trouble) (1999) - Full Album


https://www.youtube.com/watch?v=fpGD6VVMmAc


sexta-feira, 24 de julho de 2015

quinta-feira, 23 de julho de 2015